Economia porca?

Alguns proprietários sugerem que alguns acessórios ausentes na versão da sua Frontier representam uma economia porca do fabricante. Será verdade?

versoes-da-nissan-frontier

 

Algumas vezes vejo em comentários do facebook, YouTube, fóruns, grupos de whatsapp e outros canais de redes sociais, proprietários reclamando de que alguns itens faltantes em sua nova Nissan Frontier trata-se de uma economia porca do fabricante.
É a velha mania de reclamar por nunca estar satisfeito com nada, e isso algumas vezes pode estar relacionado a uma doença chamada de “distimia”. Em outros casos, é apenas uma mania.

O dono reclamão do veículo acaba estreitando a sua visão num único objeto, ignorando todo o restante e muitos outros fatores externos que envolvem a diversificação de modelos de um veículo, e os seus preços diferenciados.
Em alguns produtos, basta colocar uma etiqueta de grife para fazê-lo custar até 100 vezes mais caro, ou mais. Mas, no mundo automobilístico, a grife não é o caminho.

Os reclamões ignoram alguns conceitos de mercado, da relação de consumo e da precificação das coisas.
Vou dar um exemplo prático que eu mesmo vivencio nos grupos de Nissan Frontier que participo, e vou pegar o modelo Attack para este exemplo.

A Frontier Attack é uma das variações do modelo Frontier intermediário, não é o mais sofisticado nem o mais simples. Na linhagem da Nissan, na verdade, trata-se de uma versão abaixo da média da linha que, na ordem crescente de preço e recursos, é composta das seguintes versões: S, Attack, X-Gear, XE e LE (logo teremos outras variações chegando aqui no Brasil). Portanto, a Frontier Attack é uma versão superior apenas a S, que é a mais básica e voltada mais para frotas de empresas (mas nem por isso lhe faltam bons recursos).

Há quem diga que a versão Attack é uma versão “especial” para o “off road”, o que também não é verdade. Todas as versões da Frontier possuem características completas para o uso no fora de estrada. O visual diferenciado da Frontier encanta usuários que, na grande maioria dos casos (mais de 95%) usam o veículo em vias pavimentadas, e nunca sequer utilizarão a tração 4×4, e talvez nem saberão utilizá-la se um dia precisar. Reduzida? Esqueçam !!! A maioria nem sabe para o que serve ou como acioná-la.

Nas redes sociais, ironicamente, podemos ver comentários “curiosos” que vou até relacionar, pois muitos leitores vão se identificar com um ou outro (ou todos) comentário da lista:

a) “A Attack poderia ter “piloto automático”… economia porca da Nissan”
b) “A Attack poderia ter alto-falantes na traseira… economia porca da Nissan”
c) “A Attack poderia ter bancos elétricos… economia porca da Nissan”
d) “A Attack deveria ter bancos de couro, mais fáceis de limpar por quem usa no off road… economia porca da Nissan”
e) “A Attack poderia ter navegador GPS embutido na sua central multimídia… economia porca da Nissan”
f) “A Attack deveria ter faróis diurnos – DLR… economia porca da Nissan”
g) “A Attack deveria ter lâmpadas de LED… economia porca da Nissan”
h) “A Attack deveria vir com no mínimo rodas de 18 polegadas… economia porca da Nissan”
i)  “A Attack deveria vir com sensor de estacionamento (mesmo vindo com câmera de ré)… economia porca da Nissan”
j) “A Attack deveria ter no mínimo ar-condicionado digital neste país de clima tropical… economia porca da Nissan”
e outros…
Até reclamação por não ter moldura de grade cromada eu já vi.

Todos os comentários acima eu tirei das redes sociais já citadas, não tem qualquer exagero ou invenção. A única coisa que mantive por minha conta foi a “economia porca da Nissan”, porque aqui os comentários variam, como “Burrice da Nissan”… “Economia besta”… “sem sentido economizar nisso”… etc…

O que o consumidor esquece é de que não temos mais a opção de escolha de acessórios de fábrica. Hoje alguns acessórios podem ser colocados na concessionária, mas não existe mais aquela opção de “monte o seu carro”, como havia no passado, onde você poderia escolher bancos de couro ou tecido, motorização, som, rodas, etc…
Hoje cada versão vem com suas características, e o “monte você mesmo” se limita a cor, ao câmbio manual ou automático, ou muitas vezes nem isso.
O fabricante estabelece os recursos e acessórios por característica e público de cada versão e, principalmente, o preço.
O proprietário não pode querer que a sua versão de R$ 260 mil tenha os mesmos recursos de outra que custa R$ 310 mil. Isso não tem lógica, por mais que a sua vontade de reclamar o impulsione a criticar a ausência do acessório que ele gostaria de ter (cada um tem o seu desejo).

Vi uma vez alguém comentar que a Nissan deveria dizer que a Frontier é a única da categoria que tem teto solar se todas viessem com o acessório. Não, não é piada.

Não adianta argumentar que “piloto automático” (controle automático de velocidade), navegador ou alto-falantes traseiros são itens essenciais. Não, não e não. São mimos, por mais que o consumidor não entenda isso, ou não aceite.
A receita é simples: você quer uma Frontier completa? então compre a versão LE !!!  Mas, se não quer ou não pode pagar o valor da versão LE, então esteja disposto a abrir mão de alguns mimos. Mas, não reclame de querer economizar e não encontrar aquele recurso ou aquele acessório que você gostaria que a sua opção de compra tivesse.
“Ah… mas eu não sabia que não vinha com isso”… esse é outro argumento fraco. Informe-se dos recursos que você considera importantes pra você e depois decida-se pela compra. Não tem desculpa.

Você pode comprar hoje um televisor mais econômico com imagem Full-HD, ou pode comprar um modelo “smart”, com imagem 4K, som surround, 3d e recursos de melhoria de imagem. Você vai pagar de um extremo ao outro da faixa de preços. Mas, não compre o modelo mais barato e depois diga: “poderia ter pelo menos YouTube… economia porca do fabricante”.

Muitas vezes, a economia está oculta, não porque você foi enganado, mas por mera redução de custos e adequação da versão. Por exemplo, a Frontier Attack não possui fiação pronta para ligação dos alto-falantes traseiros. Por quê? Porque ela vem sem os falantes traseiros, óbvio !!!
Se um fabricante quer reduzir custos para oferecer uma versão mais econômica, e decide tirar a iluminação do porta-luvas, por exemplo, ele deve fazer o que? Tirar só a lâmpada e deixar o soquete?
Sim, fiação de som instalada era comum em alguns veículos no passado, e alguns ainda hoje podem afirmar que certa versão já possuía fiação de som pronta (muito raro hoje). Mas, isso também era uma opção da versão, sempre foi, e era destacada na lista de recursos e vantagens da versão, já que os mais básicos não costumavam ter esse recurso também.

O mais interessante é que, mesmo oferecendo uma versão cujo preço só é mais caro que a versão S, a lista de qualidades da versão Attack supera muitas expectativas se comparada à concorrência. A versão Attack vem com a mesma famosa e elogiadíssima suspensão multilink de toda a linha Frontier, que oferece o máximo conforto e muito mais segurança.
“Ué !! Uma versão sem multilink?”. Sim, porque não? Afinal toda a concorrência ainda usa o velho sistema (mais barato) de feixe de molas, que já deu até a fama de capotamento de alguns modelos.
A Frontier Attack vem com o mesmo motor bi-turbo das versões mais caras, com o mesmo câmbio de 7 marchas, tração 4×4, reduzida, controle de descida, controle de estabilidade (que realmente funciona), controle de saída de rampa, saídas de ar-condicionado no banco traseiro, botão de limpeza automática do filtro de partículas (que leva muitas concorrentes para a concessionária de “guincho”) e muitos itens que são realmente  muito mais interessantes. Mas, a falta do “GPS” é imperdoável… onde já se viu isso? Sim, é sarcasmo.

Mas, o importante é reclamar, criticar e achar motivos para uma insatisfação desnecessária e exagerada na maioria dos casos.

Faltou algo neste artigo? Faltou falar da intenção de seduzir o consumidor para os modelos mais completos? OK, podem reclamar. Faltou algo mais neste artigo, e poderia ser mais completo. Mas, ele é de graça, este site sequer tem anunciantes como todos os demais têm, e a ideia básica foi passada, tenho certeza. Então, não reclame. Ou, me pague que eu escrevo mais, ou ainda… faça melhor !!!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*