A suspensão traseira da Frontier é multilink?

Diante de tantas confusões que o mercado vem fazendo, respondemos definitivamente esta dúvida.

Por: Eduardo

No início do lançamento da Nova Frontier no Brasil, em 2017, uma publicação online apresentou um teste da caminhonete, e cometeu o erro de dizer que a suspensão da Frontier não era multilink. O “especialista” automobilístico se equivocou com os conceitos de suspensão multilink e suspensão independente.
Para piorar a situação, o mal informado “jornalista” fez escola, e muita gente começou a repetir a grande bobagem que ele disse. Como, infelizmente, no Brasil as pessoas pouco pesquisam informações e acreditam em tudo que publicam, muita gente acabou por também comprar essa ideia. Para piorar, alguns “mexânicos” ainda reforçaram essa informação em alguns fóruns e grupos de whatsapp.Com a ajuda do amigo Ciro Alencar, estou trazendo este “artigo” sobre o assunto e que deve esclarecer essa dúvida de quem ainda desconhece a resposta.A suspensão traseira da Nova Nissan Frontier é do tipo MULTILINK.A confusão inicial surgiu por uma confusão feita sobre suspensão multilink e suspensão independente. São duas coisas diferentes.
Veja o que a Nissan diz sobre o seu conjunto de suspensão traseira, extraído de sua propaganda:

Vejamos o que diz o catálogo disponível em seu site:

Observem que em nenhum momento a Nissan diz que a suspensão traseira da Nova Frontier é independente.
Ela é, realmente, uma suspensão multilink, do tipo five-link, de eixo rígido e molas helicoidais independentes.

Então onde está a confusão afinal?

Infelizmente, por falta de informação e interesse em pesquisar, algumas pessoas misturaram os conceitos e entenderam que a suspensão multilink era somente independente, mas não é essa a verdade.

O mais curioso é que essa confusão não ocorre fora do Brasil, onde os conceitos são bem melhor entendidos.

Multilink significa multi-braços, e o apoio da suspensão traseira da Frontier é feita através de vários braços, ou várias ligações (conexões), por isso o termo links do inglês.
Muitas suspensões multilink são também independentes.
A suspensão traseira da Frontier não é independente, porque ela (ou a Mercedes-Benz que participou do projeto) entendeu na época que, para a finalidade dela (robustez, durabilidade e carga), a suspensão independente não era a mais recomendada. Não me perguntem porque… isso é coisa da engenharia japonesa ou alemã… e eles devem saber o que dizem.

O conceito de multilink aqui se misturou com o de suspensão independente, aquela onde as rodas trabalham isoladamente e não presas ao mesmo eixo, como é o caso da Frontier.
Portanto, a suspensão traseira da Frontier é sim multilink (multi porque são vários… simples assim…) do tipo five-link (cinco braços) de eixo rígido.
Esse sistema torna o antigo sistema de feixe de molas obsoleto, já que o sistema de feixe de molas é antigo e apresenta muita instabilidade.

A suspensão multilink de eixo rígido ficou conhecida também na Dodge RAM, inclusive chamada por ela de “multilink” !!!

A patente de “Multi-link independent rear suspension assembly”, ou da montagem de suspensão traseira independente multi-braços abordava na origem esta questão, ao afirmar que esse tipo de suspensão (multilink independente) abordava dois conceitos, um de independência entre as rodas (não eram ligadas entre sim por um eixo) e outra de fixação por multi-braços (multilink).

Uma simples pesquisa na internet traz inúmeros resultados demonstrando esse conceito de suspensão multilink de eixo rígido. Mas, como a maior parte dessa documentação técnica foi publicada lá fora, a pesquisa deverá ser feita em inglês.
Mas, para simplificar a vida de quem quer conhecer melhor esse conceito, deixo aqui algumas referências:

https://www.carthrottle.com/post/what-i … s-it-used/

O link acima contém informação de engenharia da suspensão multilink, incluindo a suspensão multilink de eixo rígido.
Atenção à explicação quase ao final, onde uma foto de suspensão multilink com eixo rígido é apresentada:

“Not that multi-link setups are limited to independent suspension. Live axles often use multi-link setups bolstered by a sway bar, track (or Panhard) rod and, of course, the spring and damper units.”

Ou seja:

“Não que as configurações de vários links sejam limitadas à suspensão independente. Os eixos dinâmicos costumam usar configurações multi-link apoiadas por uma barra oscilante, haste da esteira (ou Panhard) e, é claro, as unidades de mola e amortecedor.”

Para ajudar ainda mais, a nossa acessível wikipedia resume bem essa explicação:

https://en.wikipedia.org/wiki/Multi-link_suspension

“The solid axle multi-link system is another variation of the same concept, and offers some advantages over independent multi-link, as it is significantly cheaper and less complex to build, offering good mechanical resistance and excellent reliability with very similar benefits.”

Tradução:

“O sistema multi-link de eixo rígido é outra variação do mesmo conceito e oferece algumas vantagens sobre o multi-link independente, pois é significativamente mais barato e menos complexo de construir, oferecendo boa resistência mecânica e excelente confiabilidade com benefícios muito semelhantes.”

Na questão das vantagens, o wikipedia ainda nos informa que:

“Multi-link for solid axle offers a benefit over the independent multi-link in that it is significantly cheaper and much less complex to build.”

Tradução:

“Multi-link para eixo rígido oferece uma vantagem sobre o multi-link independente, pois é significativamente mais barato e muito menos complexo de construir.”

E mais:

“Solid axle suspension
When used in a solid axle suspension the multi-link system use the lower arms to control forward and backward motion, and the upper arms to control forward and backward rotation. This rotation is present under acceleration and braking.”

Tradução:

“Suspensão de eixo rígido
Quando usado em uma suspensão de eixo rígido, o sistema multi-link usa os antebraços para controlar o movimento para frente e para trás, e os braços para controlar a rotação para frente e para trás. Esta rotação está presente em aceleração e frenagem.”

E ainda nos fornece uma foto do sistema:

Quais as principais vantagens do sistema Multilink da Nova Frontier?

Uma vantagem mais óbvia é o conforto do conceito multilink.
Por essa razão, todas as avaliações da Frontier destacam essa virtude em relação à concorrência.
Ao contrário do jurássico sistema de feixe de molas, a suspensão multilink não maltrata os ocupantes. Quem vai no banco de trás da caminhonete nota uma diferença muito grande.
A traseira da caminhonete não fica saltando ou dando coices laterais, porque a roda mantém um controle muito maior sobre as irregularidades do piso, ficando muito mais estáveis.

Mas, outra vantagem desse sistema, talvez até a mais importante, se refere à segurança. Por haver esse melhor controle das rodas, a caminhonete se torna muito mais estável, firme e controlada, o que também é muito elogiado nas avaliações e pelos proprietários.
Esse comportamento das rodas auxilia o mecanismo de controle de estabilidade, que trabalha de forma muito mais eficiente. O sistema de controle de estabilidade da Frontier foi inclusive aprimorado para melhor aproveitar as vantagens dessa suspensão.
Algumas avaliações dizem que a estabilidade dela é tão impressionante que parece impossível derrapar ou capotar com a Frontier, um risco que tem sido comum com outros modelos em testes como o do “alce”, que nada mais é do que um desvio rápido, situação muito comum quando deparamos com algo na rodovia (moto caída, animais, objetos que caem de caminhões, etc…).

Além do conforto, a suspensão multilink da Frontier aumenta a segurança dos ocupantes, diminuindo muito os riscos de perda de controle da caminhonete, muitas vezes pela simples passagem sobre um buraco.
Quem já comparou (inclusive avaliadores de publicações sérias) afirma que a Frontier faz a concorrência parecer que nem possui controle de estabilidade. De fato, na suspensão convencional de feixe de molas, ele tem uma utilidade realmente muito limitada e reduzida.

Complementando o artigo, segue a página do Wikipedia com a explicação sobre suspensão multilink. As referências estão ao final.

Curiosamente, a RAM 1500 há anos usa o mesmo sistema, que é chamado lá fora de multi-link, sem que ninguém questione o fato.

https://www.allpar.com/threads/2009-201 … ls.228891/

“The Ram’s suspension is multi link that controls the motion of the rear axle. The spring placement helps to control wheelhop under accelaration.”
“Ram trucks built starting in 2009 used a multi-link coil-spring rear suspension for better ride and handling.”

Tradução:

“A suspensão da Ram é multi link que controla o movimento do eixo traseiro. O posicionamento da mola ajuda a controlar a folga do alinhamento da roda sob aceleração.”
“Caminhonetes Ram construídos a partir de 2009 usam uma suspensão traseira multi-link para melhor condução e manuseio.”

https://www.davisdodge.ca/dodge-ram-150 … d-alberta/

https://www.motorbiscuit.com/heres-the- … ooth-ride/

“The other major factor contributing to a comfortable and quiet ride is the pickup’s suspension. The Ram 1500 boasts an optional Active-Level Four-Corner Air Suspension system. Each 1500 comes equipped with a unique coil-spring and multi-link rear suspension. This allows for increased control, maneuverability, and you guessed it, the smoothest ride.”

“Ram doesn’t stop there. In addition to the multi-link suspension, the air springs are adjustable. They can be controlled manually from the driver’s seat, but also offer an automatic adjustment as well.”

Tradução:

“Outro fator importante que contribui para uma viagem confortável e silenciosa é a suspensão da picape. A Ram 1500 possui um sistema opcional de suspensão a ar de quatro cantos de nível ativo. Cada 1500 vem equipada com uma mola helicoidal exclusiva e suspensão traseira multi-link . Isso permite maior controle, capacidade de manobra e, adivinhe, um percurso mais suave. “

“A RAM não para por aí. Além da suspensão multi-link, as molas pneumáticas são ajustáveis. Elas podem ser controladas manualmente do assento do motorista, mas também oferecem um ajuste automático.”

Veja que lá eles deixam bem claro que além do conforto, essa suspensão multilink melhora o controle e a estabilidade da caminhonete. Por aqui apenas citam o conforto como vantagem dessa suspensão, o que demonstra que os “entendidos” por aqui estão muito distantes de conhecer melhor o conceito.

O que a Car Expert diz sobre a suspensão do Mahindra:

https://www.carexpert.com.au/car-news/2 … alia-bound

“The new model is built on a new body-on-frame chassis with double-wishbone front suspension and a multi-link solid rear axle with coils and dampers.”

Tradução:

“O novo modelo é construído em um novo quadro de chassi com suspensão dianteira double-wishbone e um eixo traseiro sólido multi-link com molas e amortecedores”

Até na Austrália eles sabem o certo, mas… por aqui… temos muito para evoluir ainda.

O Toyota 4Runner também usa a mesma solução, novamente chamada de multilink.

https://www.topspeed.com/cars/jeep/2017 … 74321.html

“the 4Runner uses an independent front suspension to help improve on-road driving. A solid rear axle with a multi-link suspension system keeps the ruggedness alive.”

Tradução:

“o 4Runner usa uma suspensão dianteira independente para ajudar a melhorar a direção na estrada. Uma conjunto traseiro com sistema de eixo rígido com um uma suspensão multi-link mantém a dureza afastada.”

O mesmo caso aplica-se ao Jeep wrangler, o que já foi questionado no Quore e respondido por um engenheiro.

https://www.quora.com/Are-all-multi-lin … suspension

“Are all multi-link suspensions an independent suspension? For example, a 5-link rigid axle suspension.

Bernard Ching, studied at University of Hawaii and Michigan State MSEE (1971)
Answered September 15, 2019
You can have muti-link on a rigid axle like those on a Jeep Wrangler but it is not an independent suspension.”

Tradução:

“Todas as suspensões multi-link são uma suspensão independente? Por exemplo, uma suspensão de eixo rígido de 5 links.

Bernard Ching, estudou na Universidade do Havaí e no estado de Michigan MSEE (1971)
Respondido em 15 de setembro de 2019
Você pode ter muti-link em um eixo rígido como aquelas em um Jeep Wrangler, mas não é uma suspensão independente.”

Temos também o Jeep Cherokee.

https://www.uol.com.br/carros/ultnot/20 … u3734.jhtm

“Suspensão
Dianteira independente, com braços sobrepostos, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira por eixo rígido, com braços múltiplos, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora.”

Este último nem precisou traduzir.

O termo multi-link para designar uma suspensão multi braços, mais especificamente com eixo rígido, é amplamente utilizado lá fora, sem qualquer conflito ou dúvida de sua abrangência.
Vejamos o que diz a WhichCar sobre a suspensão utilizada pela Great Wall ( https://www.whichcar.com.au/car-news/gr … bal-pickup ), um sistema de eixo rígido apoiado por multi braços:

“…and features multilink rear suspension…”

Tradução:

“… e apresenta uma suspensão traseira multilink…”

A Torque News publicou uma reportagem sobre a possibilidade da Ford usar a suspensão multilink em sua F150 Raptor para 2021, abandonando o sistema de feixe de molas ( https://www.torquenews.com/3769/2021-fo … suspension ), e a nova suspensão também é chamada de… “multilink” !!! sem qualquer embaraço com a expressão.

O site Autoindustriya, com uma equipe de elevada formação técnica, apresenta um artigo com 6 razões para se adquirir uma Nissan Navara, como é conhecida lá fora a nossa Frontier ( https://www.autoindustriya.com/advertor … asker.html ), e uma das vantagens apresentadas é:

“The Navara uses coil springs on all four wheels and a more advanced multi-link suspension set up in the back…”

Tradução:

“A Navara usa molas helicoidais nas quatro rodas e uma suspensão multi-link mais avançada configurada na parte traseira…”

Publicação da MotorBiscuit sobre o Jeep Gladiator e o Wrangler ( https://www.motorbiscuit.com/should-you … -wrangler/ ):

“Both Jeeps have body-on-frame construction, multi-link solid-axle suspension in front and rear…”

Tradução:

“Ambos os jipes têm construção carroceria sobre chassi, suspensão multi-link de eixo rígido na frente e na traseira…”

Os engenheiros da Honda falam sobre a suspensão do Accura já em 1995 ( https://hondanews.com/en-US/releases/re … lx-chassis ):

“The Acura SLX is equipped with a fully independent double-wishbone suspension system in front, and a multi-link/live-axle configuration at the rear… The rear solid axle is located by a four-member multi-link system.”

Tradução:

“O Acura SLX é equipado com um sistema de suspensão de braço duplo totalmente independente na frente e uma configuração de multi-link / eixo rígigo na parte traseira … O eixo traseiro rígido é alocado com um sistema de quatro membros multi-link.”

Podemos ver que o conceito já era conhecido lá fora em 1995, mas por aqui ainda gera confusão entre os leigos.

Se formos enveredar pelo campo da patente de invenção, veremos que esta se refere à: “Multi-link independent rear suspension assembly”
Patente: US6945547B2 United States

Nesta apresentação da patente, o inventor deixa bem claro a existência da suspensão independente e do sistema multilink, Como o próprio título da invenção sugere, ele junta os dois conceitos “multi-link” + “intependent”, e a apresentação é bem clara em relação às duas condições que ele soma, mostrando a individualidade dos conceitos já existentes na época.

Vejamos o que diz a patente:

“Many different types of rear suspension systems have been developed. These include solid-axle dependent suspensions and independent suspensions.”

Tradução:

“Muitos tipos diferentes de sistemas de suspensão traseira foram desenvolvidos. Estes incluem suspensões dependentes de eixo sólido e suspensões independentes.”

Aqui o inventor já faz referência a existência da suspensão independente.

Continuando…

“Independent suspension designs commonly used for rear suspensions include semi-trailing arms, A-arms, short-long arms (SLAs), three links, four links, and five links.”

Tradução:

Projetos de suspensões independentes comumente usados ​​para suspensões traseiras incluem braços semi-trailing, A-braços, braços curtos-longos (SLAs), três links, quatro links e cinco links.

Aqui, novamente, ele faz referência sobre as suspensões independentes existentes, ou seja, o conceito de suspensão independente e links de apoio já eram comuns por ocasião desta patente de invenção.
Apesar de suspensão independente supor a utilização de mais fixações do conjunto, ele propõe um arranjo diferente, que seria o precursor dos modernos sistemas de suspensão multilink independentes. Esse arranjo é mostrado em desenhos, e é similar ao usado na Frontier com a diferença de ter um eixo rígido conectando as duas rodas. O interessante é que mesmo com o eixo rígido e a falta de independência das rodas, esse conjunto se beneficia praticamente das vantagens do sistema independente com a evolução que foi ocorrendo ao longo dos últimos anos, conforme os artigos já citados acima. O conceito five-link, utilizado pela Frontier é inclusive já mencionado por ele na patente, não era novidade, e tratava-se de uma versão do sistema de fixação multilink.
O Anexo de Reivindicações (Claims) em anexo é mais específico, apresentando a invenção como modelo que soma os benefícios da “suspensão independente” ao sistema “multilink”, com novo arranjo oferecido por ele que passou a se chamar “Suspensão Multi-link independente”, como foi depositada a invenção.
Todos os desenhos fazem referência a esses conceitos, e ele mesmo cita que a aplicação do sistema independente em suspensões projetadas para eixo rígido iria exigir modificações profundas, por acaso, justamente aquelas realizadas pela Jeep, pela RAM, Mahindra e … pela Frontier !!!

Tem muito mais informação sobre o assunto disponível na Internet, basta pesquisar. O problema é que, além da falta de conhecimento, alguns “jornalistas” e “especialistas” parecem também ser preguiçosos.

A própria Quatro-Rodas parece já ter entendido isso:

Auto-serviço
Em que condições a suspensão multilink se mostra melhor?

Leia mais em: https://quatrorodas.abril.com.br/auto-s … ra-melhor/

” É possível, no entanto, que uma suspensão multilink não seja independente. Este é o caso do conjunto da nova Nissan Frontier. Apesar do eixo posterior ser conectado por múltiplos braços ao chassi, o eixo rígido acaba formando uma ligação fixa entre as rodas. Além de limitar a atuação do sistema, a solução da picape deve ser considerada como uma suspensão dependente (ou interdependente). “

Demorou para começarem a entenderem o conceito por aqui, e finalmente sites como o AutoPapoFurado mostram a falta de conhecimento sobre o tema que tratam.

 

ATUALIZAÇÃO:

Comentários publicados no artigo original do Fórum do Clube da Nissan Frontier em 2020/21:

Por: Eduardo

Excelente, Bigsd !!!
Obrigado pela colaboração.

Na verdade, dando nomes aos bois, quem iniciou essa confusão foi o site Autopapo, conhecido pelas inúmeras bobagens que publica, e mais voltado ao anúncio comercial do que à informação realmente aprimorada.
Sem entender a diferença destes conceitos, ainda inventaram um tal de prêmio “Pinóquio de Ouro”, que foi inclusive utilizado neste caso, quando na verdade eles que mereciam esse prêmio :lol:

O Leonardo até me enviou um link, pesquisando um assunto sobre câmbio automático e se deparou com mais uma pérola desse site, passando uma informação equivocada sobre o uso deste câmbio. No vídeo eles ainda se superam ao afirmar, isso há mais de um ano, que “a maioria dos carros está vindo com o sistema Start Stop…”. Só se for no país fictício onde ele vive. :lol:
https://youtu.be/NQ3lVL9XpkY

 

Por: SM4rco

O “Jornalista e Engenheiro” que afirmou esta bobagem foi o mesmo que recentemente comentou que: “A Legislação é muito clara, e diz que o pneu deve ter sulcos com espessura mínima de 1,6 mm. E é para isso que no fundo dos sulcos tem um marcador do desgaste do pneu; que é um ‘tijolinho’ feito com a própria borracha, grudado lá no fundo.”
Em primeiro lugar a legislação fala em “profundidade”, e não em “espessura”, e em segundo lugar, esse “tijolinho” não está grudado lá no “fundo”. Ele faz parte da vulcanização do pneu. Grudado significa colado, dois objetos unidos por adesivo, o que não é o caso.

 

Por: Eduardo

E só complementando que o jipe Bronco da ford também usa uma solução de eixo rígido com multilink, e chama isso de Multilink.

Além disso, alguns fabricantes estão correndo atrás dessa solução, como chegaram a anunciar que a GM implementaria uma suspensão multilink de eixo rígido na S10 em 2025.

Indo mais longe, a ford havia anunciado que a sua picape F-150 Raptor traria essa solução em 2018, mas o projeto acabou não dando certo. Há uma expectativa de introdução desta suspensão agora no modelo 2021, chamada de “Multilink com eixo rígido”. O que já se informou é que é certo que ela não usará feixe de molas. Vamos aguardar…

 

Por: Bigsd

A própria Quatro-Rodas parece já ter entendido isso:

Auto-serviço
Em que condições a suspensão multilink se mostra melhor?

Leia mais em: https://quatrorodas.abril.com.br/auto-s … ra-melhor/

” É possível, no entanto, que uma suspensão multilink não seja independente. Este é o caso do conjunto da nova Nissan Frontier. Apesar do eixo posterior ser conectado por múltiplos braços ao chassi, o eixo rígido acaba formando uma ligação fixa entre as rodas. Além de limitar a atuação do sistema, a solução da picape deve ser considerada como uma suspensão dependente (ou interdependente). “

Demorou para começarem a entenderem o conceito por aqui, e finalmente sites como o AutoPapoFurado mostram a falta de conhecimento sobre o tema que tratam.

 

 

3 Comentários

  1. Eles já ganharam o apelido de AutoPapoFurado kkkk…..
    Era bom, mas o objetivo hoje é só criar polêmicas para gerar visitação, e desmerecem oficinas e lojas colocando todos como picaretas.
    Vejam o prêmio de Pinóquio que deram para o Corolla Cross. Eles tem uma linha de rixa com alguns fabricantes e meteram o pau nesse modelo da Toyota. No final o mercado provou o quanto eles estavam errados e o carro virou um sucesso.

  2. E não bastasse o site AutoPapoFurado, o canal A Roda do Youtube, do João Anacleto também erra ao afirmar que o sistema não é multilink. Está na hora de colocar gente mais especializada para falar, com conhecimento de engenharia, ou que pelo menos saiba pesquisar. Ninguém sabe tudo, mas não saber encontrar a informação com essa ferramenta poderosa que é a internet, aí é incompetência. Melhor procurar outra coisa para fazer.

  3. Este canal A Roda é totalmente tendencioso. Os comentários são censurados de acordo com a sua linha de pensamento. Avaliação cheia de erros e você não consegue postar um comentário mostrando eles, todos são excluídos. Fora a arrogância e a ignorância do “avaliador” muito mal informado.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*